quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Premissas e Conclusões

Argumento é um conjunto formado por duas ou mais proposições de modo que uma delas é a conclusão e as demais, as premissas. Premissa é uma proposição cuja verdade serve de base para a verdade de outra, a conclusão. Conclusão é uma proposição cuja verdade se baseia na verdade de outra, a premissa. Inferência é a operação pela qual se passa da verdade da premissa para a verdade da conclusão.

Por exemplo:

Premissa: Ninguém atende ao telefone.
Conclusão: Logo, ninguém está em casa.

Premissa: X é um quadrado.
Conclusão: Logo, a soma dos ângulos internos de X é igual a 360º.

Nesses dois exemplos, notamos a seguinte diferença. Enquanto, no primeiro, a verdade da premissa torna provável a verdade da conclusão, no segundo a verdade da premissa torna necessária a verdade da conclusão. Quer dizer que, no primeiro exemplo, mesmo que a premissa seja verdadeira (quer dizer, mesmo que ninguém esteja mesmo atendendo ao telefone), é possível que a conclusão seja falsa (quer dizer, é possível, por exemplo, que haja alguém e não esteja ouvindo o telefone, ou esteja ouvindo e não possa atender, ou possa, mas não queira etc.). Chamamos esse tipo de argumento de indutivo. Porém, no segundo exemplo, se a premissa for verdadeira (quer dizer, se X for mesmo um quadrado), então é simplesmente impossível que a conclusão seja falsa (quer dizer, é simplesmente impossível que a soma dos ângulos internos de X não seja igual a 360º). Chamamos esse tipo de argumento de dedutivo.

Um argumento é válido se sua conclusão pode ser inferida, quer com probabilidade (indutivo), quer com necessidade (dedutivo), de sua premissa. Isso não quer dizer que suas premissas sejam verdadeiras. O argumento:

Todos os homens são pássaros
Sócrates é homem
Logo, Sócrates é pássaro

É tão válido quanto o clássico:

Todos os homens são mortais
Sócrates é homem
Logo, Sócrates é mortal

Porque, em ambos os argumentos, se as premissas forem verdadeiras, estaremos autorizados a dizer que a conclusão é também verdadeira. A diferença é que o primeiro recorre a pelo menos uma premissa falsa ("Todos os homens são pássaros"), que, mesmo combinada com uma premissa verdadeira ("Sócrates é homem"), leva a uma conclusão falsa ("Logo, Sócrates é pássaro"), enquanto o segundo argumento lida apenas com premissas verdadeiras. Ao argumento que, além de válido, contém apenas premissas verdadeiras se chama argumento sólido.

7 comentários:

Danielly Guimarães disse...

Postagem esclarecedora! =)

André Coelho disse...

Que bom que gostou, Dani. Obrigado pela visita e pelo comentário!

Gabriela disse...

Estava estudando para uma prova de Filosofia e gostei muito da tua clareza. Muito bem explicado..

Carol Andrade disse...

Postagem esclarecedora ... aula de Matemática Aplicada, argumentos, premissas e conclusões... Me ajudou muito..

Mallu Rocha disse...

Muito bom mesmo ;)

Sabrina Moraes disse...

Muito bom mesmo! Me ajudou bastante pra aula de hoje.. ;)

Anônimo disse...

Além de esclarecedor, aqui só tem gatinhas!