terça-feira, 19 de abril de 2011

Apenas uma Hipótese: Um Valor Heurístico Adicional da História das Ideias Religiosas para os Estudos Não Religiosos

Eis as etapas de minha hipótese:

1) Em todas as épocas, os homens, por força de suas necessidades, desejos, aspirações e valores, não podem deixar de formular algumas idealizações sobre como o mundo e os homens deveriam ser;

2) Também em todas as épocas, os homens, em seu enfrentamento com o mundo objetivo, acumulam uma série de desapontamentos e frustrações com o modo como o mundo e os homens realmente são, em contraste com aquelas idealizações;

3) As ideias religiosas, principalmente aquelas ligadas a Deus, aos Anjos, aos Santos, ao Juízo Final e ao Paraíso, exigem dos homens uma capacidade de conceber a extrema bondade ou mesmo a perfeição, coisa que eles só podem fazer a partir daquelas idealizações e em contraste com as frustrações do mundo objetivo; e, finalmente,

4) Sendo assim, o modo como os homens de cada época conceberam aquelas ideias pode nos fornecer boas indicações e chaves de compreensão das idealizações que a mesma época não conseguia ver realizadas no mundo objetivo.

Obs.: Isso não implica, nem por um instante, a tese de que aquelas ideias religiosas não são nada além das aspirações frustradas dos homens, mas sim que o modo particular de concebê-las em cada época tem uma relação fértil de ser explorada com as idealizações correspondentes.

Espero por comentários.

2 comentários:

Sandro Alex Simões disse...

Caríssimo,

Concordo com seu sorites, que é interessantíssimo. Essa idéia está desenvolvida em "Moisés e o monoteísmo", de Freud e, em um grau de aprofundamento mais elaborado, naquele célebre livro de que te falei, "Os reis taumaturgos", de Marc Bloch.Estimo que possam te dar material para tecer.

Abs de Belém,

Sandro Alex

André Coelho disse...

Eu bem supus que alguém já tivesse levantado e explorado essa hipótese, mas de fato não tinha conhecimento de quem. Nesse sentido, agradeço pela informação. Eu já inclusive pensei na possibilidade de que investigar a literatura sobre o "juízo de Deus", em oposição ao juízo dos homens, seja útil para descobrir sobre as insatisfações dos homens com seu sistema judiciário, ou ainda que investigar as distintas descrições da situação edênica pré-queda seja ótima fonte de captação das críticas implícitas à vida em sociedade de cada época. Mas isso seria para pessoas como você, mais preparadas para esses estudos do que eu. Eu estou aqui apenas pensando por escrito com os meus botões.